19 de fev de 2013

O funk como deformação do caráter e desconstrução dos princípios.


Já faz algum tempo que os meus amig@s e conhecid@s sabem do meu desgosto pelo funk, porém venho hoje falar dele como problema de formação social.


Muitos chamam o funk brasileiro de “gosto musical”, eu não gosto de acrescentar este estilo de música popular no quesito de gosto, pois acredito que a sua criação seja apenas para produzir “musicalmente” o machismo enraizado nos lugares menos culturais.


Há pouco tempo ouvi comentários de pessoas ao meu redor, reproduzindo frases de músicas, e pude perceber o quão deformado está o caráter desse ser devido a longa convivência com esse som. A opinião que ess@s pessoas têm sobre si própri@s e até sobre as mulheres do seu convívio, são puro fruto do machismo mais sujo e explícito! Pois o único estímulo que encontram para se desenvolverem é a desmoralização das, ditas cujas, ‘novinhas’ e não percebem que há a ideia implícita nessa concepção de pedofilia, por acreditar (e aceitar) que meninas que são fisicamente desenvolvidas, são aptas e preparadas para os atos sexuais.


Quando digo que desgosto do funk, refiro-me a falta de pudor quanto às letras das músicas e pela depravação e submissão das mulheres! Não deveria ser aceitável em um país um estilo de música que menospreze mulheres como ser humano, mas o Brasil ainda está enraizado com o machismo e o patriarcado e até que seja ensinado e criminalizado que ambos são conceitos retrógrados, não haverá a evolução social!


Bee

13 de fev de 2013

"Todo moralismo é violento."



Recentemente postei no meu FB a imagem ao lado da página Moça, você é machista, acreditando que muitos iam apenas passar o olho como se não lhes interessa-se, o que foi verdade, porém no meu local de trabalho um rapaz veio me questionar quanto a imagem, alegando que um beijo entre casais homossexuais não é algo que uma criança pode ver e ainda comparou o ato a um atentado ao pudor.

Não encontro palavras para expressar o que sinto, pois não entendo o que as pessoas ganham com a moral que foi estabelecida pelos ensinamentos cristãos.

Pode não ser o caso, mas ensinar uma criança que assistir a um filme onde homens se matam por alguma guerra fictícia, ou estórias do gênero, pode ser o mesmo que ensinar a uma criança que agredir aos homossexuais é certo, pois foge do correto de “casal”.

Os pais precisam aprender que ter um filho não é apenas ter um herdeiro, mas é ter um ser humano para ensinar a SER humano, ou seja, apresentar os princípios de cidadão, direitos e amar ao próximo, mas o que vejo é que os progenitores apenas estão passando aos seus sucessores o próprio preconceito moral e esperam que com isso eles sejam as pessoas “certas” para o futuro da humanidade.

O que posso fazer, mesmo sendo pouco é lutar pelos direitos do outros, meus direitos, pois a sociedade só considera “normal” aquilo que ela está acostumada a ver, por isso que homens se matando é normal. A guerra sempre esteve presente, mas o amor é algo de pouca manifestação e quando manifestada, carrega muito ódio em si!


Bee

10 de fev de 2013

Desejo Proibido - Filme


Desejo Proibido é um filme que foi lançado em 2000.

Com a temática GLS, mostra três épocas diferentes de mulheres lésbicas que passam por algum conflito. Década de 60, 70 e nos anos 2000.

É um filme interessante e que choca um pouco com as suas histórias, pelo menos, foi o que aconteceu comigo.

Depois desse filme, passei a imaginar como deveria ser difícil você ser gay nos anos 60, sem poder falar pra ninguém, ninguém que você ama uma mulher. Hoje ainda é difícil, mas a 50 anos atras... 

Vale a pena conferir.

1961


1972


2000


Flor

6 de fev de 2013

Vale dos homossexuais no inferno

Eu poderia dizer o seguinte: Por que as pessoas ainda misturam religião com a sexualidade?

Só que, ao ler essa reportagem, não vejo isso como uma "mistura" e sim uma "loucura" e falta de entendimento sobre a sociedade. Como pode, uma pessoa que foi homossexual por 19 anos e usuária de drogas por 11, dar uma entrevista, ou melhor, postar em um blog, fazer um vídeo com o depoimento e dizer que foi ao inferno diversas vezes e lá tem um vale para os homossexuais?

Fico sem entender por que ainda é um "crime" ser gay, ser ateu, ser transsexual, ser diferente do que a sociedade diz que vive?

Por que as pessoas não podem ser autênticas e viver da forma que acha melhor, que se sente bem?

Mais uma vez, para mim, isso não é uma crença, isso é loucura, fanatismo e até mesmo, alguma vontade guardada de fazer aquilo que ela prega ser errado. Isso se ela ainda não se droga escondida, afinal, alguém que vai tantas vezes para o inferno e céu, tem que tomar alguma coisa e das boas.

Caso interessar, o vídeo onde ela fala sobre as idas ao inferno e o céu.



Flor

Boa argumentação, mas nada de fundamentos?!


Nesse domingo (03/02) no programa “De frente com Gabi” ela entrevistou o polêmico pastor Silas Malafaia, acredito que muitos que não viram a entrevista no horário, não perderam tempo assisti-lo no Youtube. Acredito que não posso deixar passar despercebida a minha opinião sobre o dito cujo, líder espiritual.

Durante o assunto sobre a opinião dele e “missão” na luta contra os direitos LGBT, Malafaia foi capaz de trabalhar muito bem a sua falácia – como se percebe nos vídeos dele ‘pastorando’ – para expressar que a bíblia condena os homossexuais, porém ele entrou na genética para conseguir argumentar as suas ideias. Digo que ele tem uma ótima capacidade em ser um bom manipulador, mas a fundamentação do que ele fala é muito duvidosa, pois a sua convicção de que a ciência não foi capaz de identificar alguma base homossexual foi completamente desmentida pelo Doutorando em genética molecular na Universidade de Cambridge, Eli Vieira.

No vídeo o geneticista afirma que há várias pesquisas comprovando que no genoma humano, que há mais de 20.000 genes para serem descobertos e identificados, contém informações afirmando que um LGBT nasce LGBT e não opta por esse caminho (Já desmentido e confirmado que é uma orientação e não opção). Ele informa que a base homossexual está como gene de comportamento, que é desenvolvido no ser humano de acordo com que ele amadurece, fisiologicamente falando.


Voltando ao Malafaia, após as suas afirmações sobre a ciência eu entro na discussão do que é ser um líder espiritual. Posso não ser a pessoa mais indicada para conselhos espirituais, porém na minha concepção uma pessoa que escolhe tal vocação, deve em primeiro lugar INTERPRETAR o que está escrito no livro sagrado e não achar que pode simplesmente pegar um livro e pregar o que bem entende, pois pregando o que está escrito, acaba sendo misturado com a opinião própria do dito líder. Com isso o que deveria ser um guiador para um caminho melhor onde os bons costumes, a própria moral e a espiritualidade andem juntos, é um pregador que ensina aos fiéis que as diferenças sexuais são pecados da carne e que devem ser combatidas! Privando assim que as vítimas do preconceito moral e religioso consigam direitos que os equiparam aos demais.

Então apenas espero que a moral social seja capaz de entender que costumes genéticos devem ser tratados como normalidade do ser humano, e não um pecado religioso!


                                                                                                                                                  Bee

1 de fev de 2013

O que é o "Uma dose de simpatia"?


Nós explicamos!
Uma dose de simpatia é escrito por Bee e Flor. A formação desse blog nasceu para que possamos mostrar as nossas opiniões dentro de diversos assuntos, como: homofobia, feminismo, machismo, sexismo. E também, música, cinema, teatro entre outros. sem nos prender somente em um foco ou apenas um assunto. Todos com um ponto de verdade e uma dose de simpatia.
Bee e Flor