20 de mar de 2013

Músicas machistas

E o que dizer das mulheres feministas que ouvem músicas machistas? Precisa dizer alguma coisa?

Sim, eu sou uma dessas mulheres, mas pra falar a verdade, eu nem me considero feminista assídua, luto pelas causas das mulheres, contra a violência com a mulher, a favor do direito de responder pelo próprio corpo, contra o preconceito de raça, de gênero, de orientação sexual, entre diversos assuntos relacionado as causas feministas.

Mas, eu gosto de músicas machistas.

Exemplos?

Raimundos, Ultraje a Rigor, Velhas Virgens, contando que eu só tenha citado os nacionais...

Algumas pessoas, talvez, vejam isso como uma "traição" ao movimento feminista, mas eu não, não vejo. Acho que as pessoas confundem muita coisa e levam muita coisa ao pé da letra. Eu gosto do som, gosto das vozes, gosto até das letras, mas como eu já citei, não levo ao pé da letra, ou seja, não aceitaria ser tratada de forma machista e não gostaria que nenhuma mulher fosse, mas me pergunto, por que eu tenho que esconder uma coisa que não me faz mal?

Gosto de defender as causas feministas que eu acho que tem algum fundamento, e gosto de músicas machistas.

Flor

2 de mar de 2013

Agora pode casar bonito!


Finalmente, casais do mesmo sexo podem se casar no estado de São Paulo, desde o dia 1º de Março de 2013, em todos os cartórios do estado, pode ser realizado o casamento homoafetivo.
Demorou, foi uma luta longa e cheia de empecilhos, mas é mais uma vitória de muitas que virão.

São Paulo é o primeiro estado do pais a adotar a norma que regulamenta o casamento civil gay. Foi numa cidade paulista, também, que ocorreu a primeira conversão de união estável entre homossexuais em casamento. - G1

Agora digo, isso é uma evolução sem tamanho, um passo gigante que foi dado, tenho certeza que muita coisa ainda vai acontecer e muita coisa boa, isso é só o começo!

Flor